Selecione outro país para visualizar conteúdo específico

//Selecione um País

Nossos Primeiros Anos

Parte I: 1866 – 1900

1888 — COOPERAÇÃO ALÉM DAS FRONTEIRAS

O apoio à ideia de associações de inspeção técnica continuou crescendo além das fronteiras da Alemanha. Algumas associações estrangeiras chegaram a aderir ao "Verband von Dampfkesselüberwachungsvereinen" (união das associações de inspeção de caldeiras), com sede em Hanover.

Por esse motivo, a organização central alemã mudou de nome em 1888 para "Internationaler Verband von Dampfkessel-Überwachungsvereinen" (união internacional das associações de inspeção de caldeiras). Embora a política ainda girasse quase exclusivamente em torno de questões nacionais, os pioneiros dos programas de inspeção técnica entenderam que a segurança não poderia parar nas fronteiras de um país.


1881 — PADRÕES UNIFORMES

Em 1881, havia associações de inspeção de caldeiras a vapor localizadas na maior parte da Alemanha. No entanto, cada especialista tinha sua própria definição de funcionamento adequado. Embora a "Deutscher Verband von Dampfkessel-Überwachungsvereinen" (união alemã das associações de inspeção de caldeiras a vapor) já existisse desde 1873, não havia normas relativas à segurança de caldeiras.

Entre maio e junho de 1881, a união chegou a um acordo com a "Verein deutscher Eisenhüttenleute" (associação alemã de fabricantes de aço) para a inspeção de materiais na construção de caldeiras.

Com essas normas, inspeções técnicas eram realizadas durante a fase de construção para minimizar a possibilidade de acidentes. Outras normas foram aprovadas em Hamburgo em 1884 com um propósito semelhante, e foram estabelecidas diretrizes para cálculos usados na fabricação de corpos de caldeiras.


1877 — O SUCESSO FALA POR SI

Walther Gyssling, o engenheiro-chefe da BDRV, ficou satisfeito quando apresentou aos membros seu relatório sobre o ano fiscal de 1877. Nos cinco anos anteriores, nenhuma das mais de mil caldeiras inspecionadas pela associação tinha explodido.

Os inspetores do governo, embora tenham iniciado os trabalhos ao mesmo tempo que os inspetores da BDRV, estavam longe de alcançar essas taxas de sucesso.

Em Württemberg, onde uma associação de inspeção de caldeiras foi fundada em 1875, a agência de inspeção técnica independente relatou resultados impressionantes: no primeiro relatório anual, em 1877, o engenheiro da associação com sede em Stuttgart, Heinrich Bellmer, informou que nos 12 meses anteriores corrigiu nada menos que 172 deficiências diretamente ligadas aos riscos de explosão.


1870 — ASSOCIAÇÃO DE INSPEÇÃO NA BAVIERA

Em 6 de dezembro de 1869, o fabricante de cobre Abraham Lismann subiu ao púlpito na "Polytechnischer Verein" (associação politécnica) em Munique. Lismann havia escolhido bem seu palco, pois o público incluía muitos dos mais respeitados cientistas da natureza e técnicos da Baviera.

Lismann, que operava três caldeiras a vapor em sua empresa, propôs a fundação de uma "Verein zur Prüfung und Überwachung der Dampfkessel für das diesrheinische Bayern" (associação para testes e inspeção de caldeiras a vapor da Baviera Renana).

As pessoas presentes, incluindo o engenheiro de projetos Carl Linde e o proprietário de cervejaria Gabriel Sedlmayr, prontamente formaram um comitê para implementar o plano.

O grupo preparou um documento impresso que incluía a proposta dos estatutos da associação, que deveria ser enviado a todos os operadores de caldeiras da área projetada.

A ideia também foi bem recebida em Augsburg, Bayreuth, Nuremberg e Würzburg. Em 23 de abril de 1870, a "Bayerische Dampfkessel-Revisions-Verein" (BDRV: associação bávara de inspeção de caldeiras a vapor) nasceu em uma reunião no pavilhão da "Englisches Caféhaus" (cafeteria inglesa) em Munique. O primeiro diretor administrativo foi o industrial Georg Krauss, cuja empresa construía locomotivas.


1868 — PRIMEIRO ESPECIALISTA TÉCNICO

Em 13 de outubro de 1868, Carl Isambert, um engenheiro de 29 anos, ingressou na empresa em Mannheim. Ele se tornou o primeiro especialista em tempo integral em uma associação de inspeção técnica na Alemanha.

Poucos dias depois, Isambert fez sua primeira visita de inspeção. O resultado foi preocupante: um grande número de caldeiras tinha deficiências perigosas, e os proprietários e operadores de caldeiras em muitas localidades careciam até mesmo de uma compreensão básica sobre a segurança do equipamento. Isambert ajudou como foi possível. Um ano depois, ele fez um balanço do desempenho da associação na assembleia geral em Mannheim: as caldeiras inspecionadas não apresentavam mais risco iminente de explosão


1866 — FUNDAÇÃO

Em 6 de janeiro de 1866, 22 empresários de Baden criaram a "Gesellschaft zur Ueberwachung und Versicherung von Dampfkesseln mit dem Sitze em Mannheim" (Associação para inspeção e garantia de caldeiras a vapor, com sede em Mannheim).

Carl Selbach, proprietário de uma fábrica, tornou-se o primeiro presidente. A associação foi formada em resposta a um acidente ocorrido um ano antes na cervejaria Zum Grossen Mayerhof.

Uma rachadura na cobertura de uma caldeira a vapor resultou em uma explosão que deixou uma pessoa morta e várias feridas.

Um técnico treinado poderia facilmente ter encontrado a deficiência e evitado o desastre, mas não tinham ocorrido inspeções regulares. A equipe operacional não estava familiarizada com os perigos das operações da caldeira. Esse acidente não foi um caso isolado, e o número de operadores de caldeiras a vapor aumentou rapidamente.

Tanto o governo do Grão-Ducado de Baden quanto os industriais que poderiam ser afetados apoiaram a criação de uma associação para inspeções. O objetivo era evitar acidentes futuros por meio de inspeções regulares.

O modelo teve sucesso, e a fundação da empresa em Mannheim tornou-se o ponto de partida para inspeções técnicas na Alemanha.

Próximos passos

Selecione sua localidade

Global

Americas

Asia

Europe

Middle East and Africa