Selecione outro país para visualizar conteúdo específico

//Selecione um País

Expansão de Nosso Portfólio

Parte II: 1901 – 1959

1957 — O INÍCIO DA ENERGIA NUCLEAR

No final da década de 1950, a energia atômica era considerada a tecnologia do futuro em todo o mundo. Além das fronteiras dos partidos políticos, havia um acordo de que a Alemanha Ocidental deveria desempenhar um papel de liderança no que diz respeito ao uso de recursos de energia nuclear praticamente ilimitados.

No outono de 1957, a TÜV Bayern organizou uma força-tarefa de proteção contra radiação e energia nuclear e preparou um relatório de segurança sobre o reator de pesquisa em Munique que entrou em operação em 31 de outubro daquele ano.

Os especialistas da TÜV de Munique também foram procurados como consultores na construção da primeira usina nuclear experimental, em Kahl, perto de Aschaffenburg (1958 a 1960) e na construção da primeira estação de energia alemã, em Grundremmingen (1963 a 1966).


1951 — A SEGURANÇA RODOVIÁRIA TORNA-SE PRIORIDADE

Para muitos alemães ocidentais, ter um carro estava no topo da lista de desejos. No entanto, o aumento do transporte individual tornou-se um problema de segurança. Em 1951, os legisladores estipularam que todos os veículos motorizados registrados deveriam ser submetidos a inspeções gerais regulares.

Em quase todos os lugares, as organizações TÜV foram encarregadas de executar esse programa. Além disso, as associações tiveram um papel fundamental na melhoria da segurança no trânsito. 

A organização pioneira aqui foi a TÜV Stuttgart, que fundou um "Medizinisch- Psychologisches Institut für Verkehrssicherheit" (MPI: instituto médico-psicológico de segurança no transporte) em 1952. Sob a respaldo do MPI, os condutores que causavam acidentes frequentes ou que tinham condições médicas especiais deveriam ser examinados quanto à aptidão para conduzir veículos motorizados.

Em novembro de 1954, o primeiro consultório de exames médicos psicológicos foi inaugurado na Baviera.


1948 — RESTABELECIMENTO NO OCIDENTE

Embora a segurança técnica na zona ocupada pelos soviéticos tenha se tornado uma responsabilidade governamental, as associações de inspeção no Ocidente puderam se restabelecer.

No início, elas funcionaram em uma situação legal essencialmente ambígua, sem reconhecimento oficial, mas toleradas pelas autoridades dos Aliados. Ainda assim, antes da fundação da República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental), a maioria das organizações regionais voltaram a ser inseridas nos registros de associação em 1948 e 1949.

Com base em novos estatutos, as organizações TÜV da Alemanha Ocidental voltaram a ser autônomas. O princípio de adesão voluntária mais uma vez substituiu a adesão obrigatória que foi introduzida em 1938.


1938 — REESTRUTURAÇÃO E CONFORMIDADE

Em março de 1938, ocorreu uma reorganização fundamental das inspeções técnicas na Alemanha. As 37 instalações que existiam até aquela data no Reich foram transformadas em 14 associações regionais de monitoramento que foram coletivamente chamadas de TÜV (Technische Überwachungsvereine: associações de inspeção técnica).

Um documento unificador substituiu os estatutos individuais. Nas empresas com instalações que exigiam inspeção, tornou-se obrigatória a filiação à respectiva organização TÜV.

Isso modernizou e padronizou o sistema de inspeções técnicas em todo o país. No entanto, o preço era alto. As associações perderam sua independência e, portanto, um de seus valores-chave.


1930 — ESTRUTURAS MÓVEIS

No final da década de 1920, a Oktoberfest de Munique havia se estabelecido como uma grande atração. Os parques de diversões itinerantes existiam há mais de um século, mas ainda não eram inspecionados sistematicamente.

Como os projetos eram cada vez mais ousados e perigosos, os Ministérios de Relações Exteriores, Assuntos Internos e da Agricultura e Trabalho da Baviera emitiram um decreto no verão de 1929: a Bayerische Revisionsverein deve inspecionar regularmente as "estruturas aéreas" no sul da Baviera.

Em 1930, três engenheiros da associação foram enviados à Oktoberfest para inspecionar três montanhas-russas, três tobogãs e uma pista de "autoestrada" para detectar os pontos fracos. Por meio do trabalho recorrente na maior feira do mundo, os engenheiros sediados em Munique desenvolveram uma expertise única e líder na área de estruturas móveis, que ainda é procurada em todo o mundo até hoje.


1921 — PRIMEIROS PASSOS NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A redução de emissões não é uma invenção da década de 1980. A Bayerische Revisionsverein se dedicou a esse propósito logo após sua fundação. Em 1879, a associação aconselhou o magistrado da cidade de Munique sobre o tema da prevenção de gases de combustão durante o acendimento de caldeiras.

No relatório anual de 1912, os especialistas bávaros responderam à tendência de chaminés cada vez mais baixas. De acordo com eles, esse tipos de chaminés "não são permitidas devido aos componentes tóxicos dos gases de combustão [...] em relação às pessoas, animais e plantas nas proximidades [...]".

Em 1921, a Bayerische Revisionsverein preparou um relatório sobre a poluição por poeira causada por fornos. O relatório também exigia que os construtores cumprissem as alturas mínimas das chaminés.


1913 — INSPEÇÕES DE ELEVADORES TORNAM-SE A NORMA

Elevadores elétricos foram testados por associações de inspeção desde 1907 (Baden) e 1908 (Baviera). No entanto, inicialmente eram os operadores que determinavam com que frequência e se as inspeções deveriam ser realizadas.

Isso mudou em Baden com uma portaria emitida pelo governo estadual no verão de 1912, que exigia inspeções a cada dois anos para elevadores de passageiros e a cada quatro anos para elevadores de carga.

Todos os engenheiros da Badische Revisionsverein foram nomeados como especialistas em manuseio de materiais por decreto ministerial. As inspeções de elevadores foram realizadas pela primeira vez em toda a região em 1913, e uma nova área de negócios foi criada.


1906 — PREPARANDO O CAMINHO PARA OS AUTOMÓVEIS

Em setembro de 1906, o governo de Baden adotou um regulamento que determinava o teste de automóveis e motoristas: "Se um veículo motorizado for operado, o proprietário deverá fornecer ao escritório distrital de sua cidade de residência uma notificação por escrito. [...] A notificação deve conter o certificado de um perito oficialmente reconhecido". A "Badische Dampfkessel-Revisions-Verein" (associação de inspeção das caldeiras de Baden) teve a tarefa de realizar essas inspeções.

Para cumprir adequadamente essa tarefa, a associação trabalhou com a empresa cujo nome está intimamente ligado à história de sucesso do automóvel, a Benz & Co., onde 12 engenheiros de caldeiras foram treinados para atuar como especialistas em automóveis.

O nome "Benz" já era conhecido pelos entusiastas de automóveis na época: em 1886, Carl Benz desenvolveu o primeiro automóvel motorizado da história com seu Patent-Motorwagen. Em agosto de 1888, Bertha Benz dirigiu os 106 quilômetros entre Mannheim e Pforzheim usando um veículo desenvolvido por seu marido, completando a primeira viagem de longa distância por terra em um automóvel. Em 1906, as inspeções técnicas de veículos motorizados eram realizadas em Mannheim, o berço do transporte automotivo.


1903 — VAPOR E ELETRICIDADE

A máquina a vapor representou o início da Revolução Industrial. Entretanto, a quantidade de máquinas movidas a eletricidade aumentava cada vez mais.

A Baviera tinha a "Revisions-Verein für elektrische Anlagen" (associação de inspeção de instalações elétricas) desde 1900. E muitos dos membros também pertenciam à "Dampfkessel-Revisions-Verein" (associação de inspeção de caldeiras), pois usavam ambas as tecnologias em suas empresas.

Fazia sentido, então, que as duas associações se fundissem para formar a "Bayerischer Revisionsverein" (associação de inspeção da Baviera) em 1903. Nesse mesmo ano, a Bavarian Dampfkessel-Revisions-Verein estabeleceu uma divisão de eletrônicos.

Próximos passos

Selecione sua localidade

Global

Americas

Asia

Europe

Middle East and Africa