Selecione outro país para visualizar conteúdo específico

//Selecione um País

Desmascarando os Fatos

Respostas a quatro perguntas sobre o uso de máscara facial

MÁSCARAS COMO MEDIDA PREVENTIVA CONTRA A COVID-19

"Diferentes tipos de máscara fornecem diferentes níveis de proteção contra o vírus, e os usuários devem basear sua escolha de acordo com o risco que poderão enfrentar."

Dr. Royth von Hahn
Vice-presidente sênior, Serviços médicos e de saúde, Divisão de serviços de produtos da TÜV SÜD

 Segunda-feira, 6 de abril de 2020


O surto de COVID-19 levou a um aumento sem precedentes na demanda por máscaras no mundo todo. Assim como qualquer outra medida preventiva, as máscaras têm o potencial de achatar a curva, pois podem evitar que pessoas infectadas espalhem o vírus e protegem os profissionais de saúde enquanto eles cuidam dos pacientes infectados.

Embora na Ásia seja uma prática comum usar máscara mesmo quando se tem sintomas leves de um resfriado, essa prática é menos comum na Europa e nas Américas. Como a COVID-19 está sobrecarregando cada vez mais os recursos do sistema de saúde em todo o mundo, evitar quaisquer outras infecções respiratórias individuais é uma contribuição positiva na luta contra a COVID-19. 

Embora o uso da máscara facial não impeça completamente a infecção, ele pode limitar a disseminação do vírus ao bloquear a entrada de gotículas carregadas de vírus nas vias respiratórias, que é considerada uma das principais vias de transmissão do coronavírus. Ao mesmo tempo, os hábitos do usuário em relação às máscaras faciais podem ter um impacto profundo em sua eficácia. Se não forem usadas corretamente, as máscaras podem inadvertidamente aumentar o risco de infecção.

O nível de proteção oferecido também pode diferir entre os vários tipos de máscara. Dr. Royth von Hahn, vice-presidente sênior de Serviços médicos e de saúde da TÜV SÜD, destaca: "Há uma grande variedade de máscaras disponíveis, como N95, KN95 e FFP2, para citar algumas, e cada uma tem uma finalidade diferente. É importante conhecer as diferenças, os níveis de proteção que cada máscara pode fornecer e o uso correto das diversas máscaras."

Neste artigo, Dr. von Hahn fornece mais informações sobre quatro perguntas frequentes relacionadas ao uso correto e eficácia das máscaras de proteção.

PERGUNTA 1: QUANDO USAR CADA TIPO DE MÁSCARA?

Diferentes tipos de máscara fornecem diferentes níveis de proteção contra o vírus. Dr. von Hahn explica que os usuários devem basear sua escolha de acordo com o risco que poderão enfrentar.

  • Máscaras descartáveis ou cirúrgicas: em situações como deslocamento de e para o trabalho, em transporte pessoal individual e em visitas a espaços abertos ao ar livre menos lotados. Recomendado para que você não espalhe qualquer resfriado que possa ter. 
  • Máscara cirúrgica, respirador com filtro contra inalação de pó ou máscara de proteção facial: em ambientes de alto risco onde há uma grande chance de exposição ou interação com pessoas que não estão bem ou que buscam tratamento
Máscara por nível de risco 

A Organização Mundial da Saúde (OMS)[1] afirma que o uso de máscara faz parte de uma estratégia abrangente de medidas para reduzir a transmissão e proteger a si e aos outros. É aconselhável que os indivíduos usem uma máscara de tecido, a menos que façam parte de um grupo de risco específico. É altamente recomendável que indivíduos acima de 60 anos, com problemas médicos preexistentes, que estejam se sentindo mal e/ou cuidando de um familiar doente usem uma máscara médica/cirúrgica. No entanto, a situação é dinâmica e muda constantemente. Consulte as fontes oficiais com frequência para obter informações atualizadas. Compre apenas o que você precisa. 

PERGUNTA 2: COMO IDENTIFICAR AS DIFERENTES MÁSCARAS?

As máscaras de proteção podem diferir em termos de suas propriedades de Eficiência de filtragem de bactérias (BFE) e Eficiência de filtragem de partícula (PFE). A BFE mede a eficiência de filtragem das máscaras usando um tamanho médio de partícula (MPS, na sigla em inglês) da bactéria em torno de 3,0 mícrons. A PFE, por outro lado, mede a eficiência de filtragem de uma máscara usando partículas não vivas e inviáveis com tamanho de 0,1 mícron. As máscaras com propriedades de PFE fornecerão aos usuários melhores níveis de proteção, já que o próprio coronavírus mede entre 0,05 e 0,2 mícrons de diâmetro. Os dois tipos de máscara mais amplamente disponíveis são:

  • Máscaras de tecido e TNT: elas também são comumente chamadas de máscaras de uma ou duas camadas e são eficazes para evitar que partículas grandes expelidas pelo usuário atinjam o ambiente. Após testes, também foi descoberto que elas não são resistente a fluidos. Isso afeta a qualidade de proteção, tornando-as menos eficazes na proteção dos usuários contra o vírus. Por esse motivo, seu uso deve ser restrito a situações de baixo risco.
  • Respirador N95: essa máscara reduz a exposição do usuário a contaminantes ou partículas muito pequenas no ar, mas pode não proteger contra sprays e respingos diretos de líquidos. A máscara respiratória N95 é diferente da opção cirúrgica da N95, que é usada principalmente na área médica. 

Ao contrário das variedades acima mencionadas, as máscaras cirúrgicas e as máscaras N95 de grau médico oferecem a mesma eficiência de filtragem de bactérias (BFE) superior a 95%. Os usuários devem observar que o uso da máscara médica descartável fornece proteção suficiente em locais públicos sem contato com pacientes.

 

Como é a máscara cirúrgica

 

PERGUNTA 3: COMO GARANTIR A QUALIDADE DAS MÁSCARAS?

As máscaras cirúrgicas precisam estar em conformidade com as normas internacionais de produtos de saúde médica. Os fabricantes são responsáveis por garantir que as máscaras sejam testadas ou aprovadas de acordo com as normas de produto relevantes, conforme exigido no país onde são vendidas. As normas variam de acordo com o país. Existem várias normas locais que se aplicam ao teste de eficácia de máscaras, como BS EN, ASTM e GB. Alguns dos testes padrão para máscaras de proteção incluem eficiência de filtragem de partículas, eficiência de filtragem de bactérias e testes de eficiência antibacteriana. "Outros parâmetros de teste incluem respirabilidade, inflamabilidade, resistência à penetração de líquidos e ajuste", observa o Dr. von Hahn.

 

Observe a data de validade da sua máscara. As máscaras com datas de validade vencidas podem não ser capazes de fornecer o mesmo nível de proteção e estar sujeitas a degradação. Sempre compre suas máscaras de vendedores e sites conhecidos para garantir a autenticidade e qualidade.

Ao adquirir máscaras, verifique sempre os detalhes da embalagem para garantir a eficácia e a qualidade das máscaras. As informações da embalagem geralmente incluem: o nome do fabricante e o número de modelo relevante, uma indicação de que a eficiência de filtragem de partículas é de 80% ou superior para máscaras cirúrgicas e mais de 95% para respiradores N95, além da data de validade.

Muitas empresas em todo o mundo estão fazendo sua parte para amenizar a pandemia, transformando suas instalações de produção para fabricar máscaras faciais ou outros suprimentos médicos essenciais. A TÜV SÜD também está contribuindo trabalhando com nossos clientes para acelerar o processo de testes e garantir que os suprimentos médicos essenciais exportados atendam aos requisitos do mercado-alvo.

A Comissão Europeia lançou um documento sobre Procedimentos de avaliação de conformidade em equipamentos de proteção para fabricantes em potencial que desejam ajudar a amenizar a pandemia.

PERGUNTA 4: É ACONSELHÁVEL O "USO PROLONGADO" OU A REUTILIZAÇÃO DE MÁSCARAS?

O "uso prolongado" refere-se à prática de usar o mesmo respirador em encontros repetidos de contato próximo com casos suspeitos de infecção sem remover a máscara entre eles. Reutilizar a mesma máscara geralmente significa usar o mesmo respirador durante vários encontros com pessoas ou reutilizar um respirador em ocasiões diferentes. Embora as preferências individuais possam ser diferentes, é altamente recomendável que os usuários nunca compartilhem o uso da mesma máscara e não reutilizem as máscaras descartáveis. (Fonte)

Não use desinfetantes, álcool nem aplique calor para desinfetar a máscara. Se estiver suja, úmida ou deformada, a máscara deverá ser substituída.

CONCLUSÃO: PARA FICAR SEGURO, É NECESSÁRIO TER CONSCIÊNCIA E BONS HÁBITOS

O uso de máscara é apenas uma das medidas preventivas necessárias para combater a pandemia. Existem outras práticas importantes que devemos seguir:

  • Tenha uma boa higiene: à medida que o vírus segue seu curso, a melhor maneira de combatê-lo é ter bons hábitos de higiene, lavar as mãos frequentemente com água e sabão, consultar um médico quando não estiver bem e evitar locais lotados. Os usuários devem sempre combinar o uso de máscaras com hábitos básicos de higiene, como lavar as mãos regularmente e evitar aglomerações. Conhecer e aplicar essas etapas e hábitos de uso ajudará a proteger não apenas a saúde, mas também a reduzir o risco de infecção e cortar a propagação da doença pela raiz. 
  • Distanciamento social: manter uma distância de pelo menos um metro de pessoas que estejam espirrando ou tossindo reduz a chance de ficar doente e enfraquecer o sistema imunológico.

[1] Este parágrafo foi atualizado em 3 de novembro de 2020 com base nas últimas diretrizes da OMS. 

Próximos passos

Selecione sua localidade

Global

Americas

Asia

Europe

Middle East and Africa